Ricardo Oliveira
O tempo e a poesia como essências da alma
Capa Textos Áudios Fotos Perfil Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
Carta Religiosa
A PROFUNDIDADE DO ESVAZIAMENTO

JESUS E A SUA IGREJA – NÓS, E O CORDEIRO!
 
 
Compreender os mistérios de Cristo em nossa existência, não é uma tarefe que pudéssemos fazer com tamanha facilidade, mas percebo no decorrer da vida, o quanto deixar esse mistério encarnado sem ser entendido em sua totalidade (até pelo fato de não poder), uma forma encantadora de se entregar de maneira fascinante ao Senhor que nos consome na inteireza de seu próprio amor. De que forma estamos infinitamente colecionando de valor?

Guarda-se tantas coisas em nós mesmos, e muitas delas não nos trazem, de maneira alguma, a ternura das rosas coloridas criadas pelas mãos do criador. Que lugar Cristo ocupa no jardim nosso de cada dia? Saibamos sentar com o Salvador a beira da praia, com os pés nas águas, sentindo o Céu. Sim, o Céu que é a purificação da humanidade. Assim, nos deparamos com o noivo a observar a sua noiva. Jesus e a Igreja! A Igreja da convivência no amor’.
 
MEMBROS DA IGREJA: MISTÉRIO DE CRISTO
 
Conviver no amor, como dialogado anteriormente, traduz o que significa a Igreja. É a doação a partilha da existência entre Deus e a humanidade, a humanidade com Deus (Deus Conosco). Como posso então, fazer parte desta Igreja: Una, Santa, Católica e Apostólica? Sendo abertos e disponíveis com Deus e com os semelhantes. Por meio destes dois mecanismos, nos entregaremos ao Mestre com carinho, um com Ele, e Ele sendo um conosco. Eis a Eucaristia!

O silêncio é o ato de absorver o momento sublime na pureza da presença com Cristo na Comunhão de seu Corpo e Sangue derramados na Cruz do Altar. Isso, por que Jesus veio dá a vida em totalidade, não pela metade. Amar sem obrigação! O amor não foi feito para acontecer forçadamente. Ele existe na gratuidade da alma! Transcende todas as nossas experiências, transubstancia a própria substancia. É nisso a consistência do que chamamos de Kinosis ((ke/nwse - ekénose, ekenõsen), por que Deus se esvaziou-se de si. Deste modo, esvaziemo-nos de nós, no intuito de andarmos na profundidade de Cristo.

Ricardo Oliveira (Poeta)
Enviado por Ricardo Oliveira (Poeta) em 27/01/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários